Indoor

Brasil garante vaga no Campeonato Mundial de Handebol Júnior Masculino

Publicado em: 08/04/2019 00:00

Por: Patricia.lima

 

[Da Redação] No último domingo, 6, a Seleção Brasileira Júnior Masculina conquistou a medalha de prata no Campeonato Sul-Centro Americano de Handebol e garantiu sua vaga para o Campeonato Mundial na Espanha, de 16 a 28 de julho. Foram quinze jogos desde quarta-feira, 3, no sistema Round-Robin, todos contra todos e pelo placar de 25(14)-(17)26 o Brasil foi superado pela Argentina na partida final do Campeonato. Para o Sul-Centro Americano, são 3 as vagas no Mundial agora preenchidas pela Argentina, Brasil e Chile que terminaram o Campeonato em primeiro, segundo e terceiro respectivamente.

 

O técnico Ivan Maziero, o Macarrão, faz um balanço positivo da atuação da Seleção Brasileira no Campeonato ainda que tenham tido apenas três dias de treinos e os três primeiros adversários tenham sido inferiores tecnicamente, o objetivo foi alcançado que era a classificação. “No geral foi bom, apesar não termos ganhado o jogo final. Muitos atletas estão desde novembro, dezembro sem jogar, então isso faz a diferença no momento. O objetivo principal era classificar e fazer um jogo forte com a Argentina, que é uma seleção que está treinando semanalmente. Então, acho que produzimos bastante”, comenta Maziero.

 

O técnico espera ter mais fases de treinos antes do Mundial em julho para acertar os pontos falhos e evoluir a equipe tecnicamente que já demonstrou resposta ao que foi proposto em poucos dias. Para ele, o ideal é ter jogos e amistosos além da observação e acompanhamento de alguns atletas que não foram convocados para o Sul-Centro. “Vamos buscar ver mais alguns jogadores juniores e juvenis para vermos se encaixa e para levarmos uma equipe mais forte ainda que esteve aqui”, conclui Macarrão.

 

Atualmente jogando pelo Esporte Clube Pinheiros, Pedro Pacheco, reconhece a responsabilidade e o desafio em ser o capitão da Seleção Júnior. “É muito legal ver a base de espelhando em nós por que, quando eu era mais novo me espelhava nos atletas do Júnior”, diz o atleta. Pacheco comenta sobre a campanha no Sul-Centro Americano e diz que os bons resultados vieram do ensinamento da metodologia nacional de jogo durante os acampamentos de base e a relação em quadra nas competições. “Alguns de nós jogamos juntos em clubes e a maioria se enfrenta durante o ano inteiro, assim sabemos a forma de jogar um do outro” , esclarece Pedro Pacheco.

 

Segundo Pacheco, as realidades de disputas dos Brasileiros são Chile e Argentina, que impõem maiores desafios por serem equipes treinadas e tecnicamente melhores. Também para Guilherme Torriani, ponta esquerda da seleção, os placares expressivos alcançados nas três primeiras rodadas foram correspondentes aos níveis técnicos das equipes que não exigiram dos brasileiros como Chile e Argentina exigiram. A seleção chilena teve diversas fases de treinamentos enquanto a argentina, tem mais atletas e melhores, portanto conseguem dar minutos ao elenco, assim como a brasileira.

 

Torriani acredita que a concentração e dedicação da equipe durante a curta fase de treinamento em Taubaté foi decisiva para a campanha no Sul-Centro. “Tudo o que estava sendo proposto, os atletas conseguiram fazer da melhor forma possível e aqui, durante o campeonato, a comissão conseguiu nos deixar bastante preparados para os jogos”, completa o atleta.



Os jogos

 

Rafael Akio, supervisor da seleção júnior, comenta a atuação da equipe nos cinco jogos do campeonato três dos quais os largos placares resultaram em confiança durante a competição para os dois intensos e últimos adversários. No jogo de estreia, os brasileiros abriram 20 gols de vantagem em cima dos paraguaios no primeiro tempo e sustentaram a vitória até o final por 44(23)-(3)16. Para Akio, foi tranquilo e conseguiram dar oportunidade à todos os jogadores de entrarem em quadra. “O sistema defensivo funcionou desde o início. Conseguimos fazer um jogo de transição ofensiva muito forte e conseguimos abrir o placar. Os goleiros foram muito bem e isso resultou nesse placar”, diz Akio.

 

Na segunda rodada o adversário foi a Colômbia que não sustentou o ritmo de jogo brasileiro e foi superada por 17(6)-(27)52. Akio diz que as análises feitas sobre os pontos falhos do jogo anterior surtiu resultado em quadra e que os atletas conseguiram evoluir. “Mais uma vez todos tiveram oportunidade de jogar. Conseguimos manter o sistema. É importante continuarmos nessa evolução para que no final de semana estejamos bem, porque a tendência dos jogos é serem mais fortes ao final da competição”, comenta o supervisor.

 

A respeito do terceiro jogo que terminou 46(23)-(7)16 para o Brasil sobre a Venezuela, Rafael explica que por ser uma equipe ainda juvenil, tiveram de ser cautelosos para não machucar e nem se lesionarem, mas aproveitaram para dar tempo de bola aos atletas para os próximos jogos. “Foi um jogo bom e fomos testando algumas coisas já para os próximos dias. Nem tanto pelo placar ou pelo tanto de gols, mas sim pela atitude dos meninos de só ter tido três dias de treinos e já estarem respondendo”, conclui Akio.

 

O Chile demonstrou em quadra um sistema tático ofensivo ao qual Brasil havia treinado pouco para conter que era o 7 contra 6, defesa em inferioridade. Para Rafael, foi um jogo bastante disputado no primeiro tempo, mas conseguiram utilizar o sistema planejado e a defesa funcionou muito bem. “Eles tiveram a tática de atacar com 7 a partir do momento em que eles não conseguiram atacar na nossa defesa 5:1. Foi um jogo bastante desgastante, a gente defendeu em inferioridade o jogo inteiro e tivemos um resultado ótimo porque tomamos apenas 8 gols no segundo tempo”, avalia Akio.

 

No último jogo do campeonato Brasil e Argentina entraram em quadra e protagonizaram uma disputa acirrada, com placar final de 25(14)-(17)26 para a Argentina. “Tivemos dificuldades no primeiro tempo, nosso ataque não rendeu o esperado, muitos erros de finalização, mas ainda assim conseguimos igualar o jogo. Eles tiveram uma mudança de sistema defensivo que foi bastante relevante para o jogo porque eles conseguiram nos surpreender e aí tivemos alguns erros de tomada de decisão”, analisa Rafael Akio e segundo ele, os atletas precisam jogar mais para minimizar certos erros que cometeram. Foi importante como aprendizado para evoluírem na fase de treinos para o Mundial já planejada pela comissão técnica.

 

Resultados do Campeonato [horários de Brasília]:

 

03.04.2019 - Quarta-feira

18.00| Chile 31(12)-(14)26 Colômbia

20.00| Brasil 44(23)-(3)16 Paraguai

22.00| Argentina w-o Venezuela

 

04.04.2019 - Quinta-feira

18.00| Colômbia 17(6)-(27)52 Brasil

20.00| Paraguai 14(6)-(19)37 Argentina

22.00| Venezuela 18-38 Chile

 

05.04.2019 - Sexta-feira

18.00| Paraguai 30(13)-(14)39 Colômbia

20.00| Argentina 28(13)-(13)24 Chile

22.00| Brasil 46(23)-(7)16 Venezuela

 

06.04.2019 - Sábado

18.00| Argentina 31(13)-(13)24 Colômbia

20.00| Venezuela 32-31 Paraguai

22.00| Chile 21(13)-(16)31 Brasil

 

07.04.2019 - Domingo

18.00| Colômbia 25(11)-(12)24 Venezuela

20.00| Chile 35-31 Paraguai

22.00| Brasil 25(14)-(17)26 Argentina

Compartilhe:

Comentários

comentários providos por Disqus

Apoiador

Parceiros Institucionais

Filiado A